Blog

Conheça o Thomaz, paciente e orgulho da CES

Quem é esse menino de olhar expressivo, rostinho simpático, “tagarela”, cheio de vida que chega no corredor da sala de espera batendo na porta da reabilitação gritando: Imáááá!!!!!!!! (querendo dizer o meu nome Ilma) 😆😆😆

 

 

Na maioria das vezes, ele está sempre disposto a topar qualquer “parada”, ou melhor, desafios motores dentro da sala mais animada, pois formamos uma dupla perfeita de paciente e terapeuta. Que satisfação a minha conseguir motivar uma criança e fazê-la esquecer que está participando de uma terapia.

 

Neste cenário, construiu-se a trajetória de um menino chamado Thomaz, o qual tenho o privilégio de acompanhar a reabilitação e assessorar as orientações com a super Jaqueline, um doce de mãe que ama e sabe ser firme quando precisa 🙈 e como precisa 😅. Hoje esse lindo garoto está com 5 anos e desde os 2 anos está conosco formando essa grande família.

 

 

Ele foi diagnosticado com a Síndrome de Kinsbourne, porém, antes deste fato ele já andava e perdeu tudo com o início dos sinais e sintomas da doença. No começo do tratamento na Casa da Esperança de Santos (CES) em 2017, Thomaz arrastava-se para se locomover, pois não conseguia engatinhar, apresentava muito desequilíbrio para trocar de posturas e tudo era feito com ajuda devido ao risco de quedas e acidentes era muito frequente.

 

 

Em 2018, quando estava com três anos, ele conseguia sentar sem apoio e movia-se com mais agilidade, embora apresentasse tremores ao utilizar as mãos e o corpo, o que o impedia de desenvolver certas habilidades, como a de empilhar cubos com facilidade.

 

 

Neste mesmo ano, Thomaz iniciou os primeiros passos. Sempre ansioso e muito motivado, ele fazia questão de ficar em pé, mas sempre tropeçava no que estava pelo caminho. Aos poucos tudo foi ficando mais fácil com o aumento da percepção corporal e coordenação motora.

 

 

 

A conquista da marcha aconteceu aos quatro anos, sem necessitar de andadores para esta aquisição e deu a ele muita independência funcional e autonomia em casa, na escola e na comunidade, fato que permitiu o aumento de maneira significativa na participação nestes ambientes.

 

 

Atualmente, com cinco anos, ele consegue andar de patinete, brincar de pega-pega, futebol, pula-pula, entre outras atividades que exigem um bom desempenho e capacidade motora, intelectual, afetiva e sensorial.

 

Não tenho palavras para expressar meu orgulho por essa parceria bonita de todos esses anos, uma das quais me fazem retornar todos os dias ao meu posto de trabalho. Quem ganha sempre sou eu em ter essa riqueza sob os meus olhos. Amor, gratidão, parceria e dedicação resume tudo💞🙏🤝💪💞

 

Ilma Menezes – Fisioterapeuta